domingo, 25 de janeiro de 2009

Mosaico

Fiapos nas unhas. Cérebro grunhindo em pedaços: arranho tudo, milimetricamente faço um amor só e depois destroço!

Palavras em vai e vem e sou habitada pelo ninguém. Muros altos; murros doídos na boca esquartejada: fecho os olhos. Sei que posso suportar mais – dor de menos – vontade demais... unhas em fiapos.

Noite cheia de luas, passo que o corpo segue só, em mim, ainda partiria tudo! Asfixiada por essa vermelhidão tua, jazida num corpo todo febril: a um passo da libertação!

Cortejo olhares ancestrais dos ares e tudo a mais que não posso tocar sem rasgar em pedaços. Desmoronar ou amassar como um punhado do meu papel.

Um comentário:

jão disse...

gostei do "cortejo olhares ancestrais"